Confeitaria da ponte

«Em Abril de 1930, entrou em laboração mais um estabelicimento de confeitaria, o terceiro, propriedade de Rodrigo Moreira Monteiro, com o nome de Confeitaria da Ponte, o primeiro na rua 31 de Janeiro. Neste local abriu em 15 de Setembro de 1909 a mercearia pertencente ao mesmo proprietario na antiga casa da Ponte. O acontecimento da abertura da confeitaria é assim citado: “O forno e todos os demais apetrechos para o fabrico de pão de ló, lérias, cavacas, galhofas e outros doces deliciosos, obedecem às mais rigorosas condições higiénicas, assim como a dependência onde se manipulam as massas, limpa, ampla e asseada. O proprietário, pondo todo o seu escrúpulo na escolha dos aparelhos mais modernos e mais perfeitos para aquele mister, confiou a direcção da sua nova casa a pessoa que sabe o que faz, por experiência de muitos anos de fabrico de doces regionais, com aquele quid que à primeira vista os caracteriza e distingue. Essa pessoa é a sra. D. Ana Flores Andrade, antiga fornecedora da Casa Real, honra que lhe foi conferida pelo sr. D. Manuel de Bragança, quando da sua visita a Amarante.

Pelo que fica exposto, a garantia e pureza dos nossos doces regionais não sofrem contestação”.

Ana Flores Andrade que posteriormente levou o fabrico do pão de ló, para a Confeitaria da Ponte onde foi trabalhar em 1930, tornando-se assim esta confeitaria a primeira de referência amarantina na confecção deste doce.
Posteriormente esta casa teve como sucessores Isilda Marinho Teixeira e, a partir de 31 de Agosto de 1974, José Pinheiro Ribeiro que trabalhou na Casa das Lérias – Confeitaria Amarantina de Alcino dos Reis. A partir de 1 de Maio de 2010, tem a gerência de Ricardo Jorge da Silveira Ribeiro.» in Testemunhos, Circulo Lago Cerqueira – Pedro Alves Pinto

Confeitaria da ponte 2

Confeitaria da ponte 3